quarta-feira, 25 de abril de 2012

CHIPRE, FUTSAL EM EXPANSÃO


Não só do futebol vive o desporto no Chipre, reconhecido e entrando para os mapas do mundo com a brilhante prestação do APOEL na recente edição da Liga dos Campeões, o pais desperta para o futsal e para a evolução e notoriedade que a modalidade tem hoje em dia no panorama do desporto Europeu e Mundial.


Nicósia a capital, deixa de fervilhar não só com os sucessos das suas equipas no futebol, quer a nivel nacional como internacional, como passa a viver as grandes emoções dos jogos, e derbys entre as equipas da cidade.

Omonia e Ararat são as grandes referencias da Liga de Futsal do Chipre na atualidade e tem disputado entre elas a hegemonia na Liga. Ararat um clube que foca toda a sua estrutura em exclusivo no futsal equanto o Omonia é o chamado " clube de camisola",  com grande tradição no futebol, aposta tambem agora na sua equipa de futsal, tendo conseguido tornar-se na ultima época ja campeão, assistindo assim á possiblidade de participar nas competições europeias. (Uefa Futsal Cup).
Para a grande evolução que tem existido na modalidade, e consequentemente melhoria da prestação das equipas da liga, qualidade de jogo, aumento de espetaculo e visibilidade, tem contribuido a grande aposta dos seus dirigentes em fortalecer as suas estruturas e planteis, nomeadamente através de atletas estrangeiros de qualidade ja reconhecida na Europa.
Podemos considerar assim Nicosia a capital não só do pais como do futsal no Chipre. Uma cidade acolhedora, tranquila, que permite aos atletas que la habitam, trabalham e levam as suas vidas, establidade e segurança. Condições essênciais e que em muito contribuem para a melhoria da prestação dos atletas que hoje enriquecem a liga de futsal do pais.




RESUMO OMONINA NICÓSIA X ARARAT CLUB








Carlinhos Lisboa é na atualidade uma das grandes referências da liga cipriota, o atleta que representa o Omonia, e já atuou durante três temporadas em Portugal nomeadamente no Viseu Futsal, onde deixou saudades pelo seu profissionalismo e grandes capacidades enquanto atleta, fala-nos sobre a sua nova etapa na carreira e como esta o futsal no Chipre.
Depois de um contato de um amigo que já representava Omonia, e de conhecer a realidade do clube, Carlinhos não teve duvidas em aceitar este novo desafio.  As saudades da família e amigos são consideradas pelo atleta como a grande dificuldade de quem esta longe e faz carreira no estrangeiro, no entanto enaltece o carinho das pessoas no pais e a amizade " o pais é muito bom, as pessoas abraçam-te e são calorosas, o clima é fantástico e tudo isto acaba por facilitar em muito a adaptação".
Relativamente as condições de trabalho que encontrou o atleta brasileiro não tem duvidas, " encontrei uma estrutura fantástica, com grande profissionalismo, e que permite trabalhar sempre bem e estarmos ao nosso melhor nível". Conhecedor da realidade que tinha no Brasil e posteriormente em Portugal , considera que apesar da evolução que o futsal naquele pais esta a ter ainda não se pode comparar a ligas Portuguesa e Brasileiras com a Cipriota, " o futsal no Chipre esta em crescimento, tem evoluído nos últimos anos mas em Portugal e Brasil o nível esta muito alto, mas acredito que com a vontade das pessoas e a aposta que esta a ser feita em breve poderemos ter no Chipre uma grande liga de futsal"

sexta-feira, 20 de abril de 2012

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO NOS CLUBES DE FUTSAL

Parece-me oportuno abordar este tema, numa altura em que os clubes passam por grandes dificuldades, em que se fala em estruturas debeis, não conseguindo assim suportarem da melhor maneira o trabalho de atletas e treinadores. O tempo é de trabalho e arregaçar as mangas, e penso que os clubes que ficarem a ver o comboio passar vão ter grandes dificuldades em sobreviver.

Deixo aqui um exemplo que ja acompanho á algum tempo, de um clube de ascenção gradual, estruturado e que utiliza como muito poucos em Portugal as ferramentas de Gestão/Marketing/ Comunicação.

Fui conversar com Tiago Freitas, Diretor de Marketing do ex Viseu Futsal 2001, agora denominado Viseu 2001, em virtude da criação de novas secções e consequentemente novas modalidades para o clube.

Como nasceu o departamento de Marketing do Viseu 2001?
Sentiram desde o início necessidade de existir um departamento no clube com este fim, ou face a realidade onde estavam inseridos, a nível local e mesmo nos quadros competitivos, não haveria necessidade de explorar esta área?
Será justo afirmar que o “Departamento de Marketing” foi criado ainda antes do 1º dia de vida do clube. Tem sido uma área fundamental no processo de crescimento do Viseu 2001, antes denominado de Viseu Futsal 2001, pelo entendimento que sempre tivemos que a afirmação de um novo clube em Viseu, numa modalidade que praticamente não existia no 1º ano do clube, passaria pela criação de uma imagem positiva, transparente e organizada que cativasse os viseenses para aderirem a este novo projeto, seja na qualidade de atletas, dirigentes ou sócios e adeptos.
Ainda antes da fundação do clube, que aconteceu em 18 de janeiro de 2002, começámos a pensar na estruturação do clube, desenvolvendo um plano estratégico que viria a delinear a nossa vocação, missão e objetivos a curto e médio prazo. Durante este processo demos importância è escolha do nome do clube, um nome que identificasse a cidade e a modalidade praticada, sendo que na altura a nossa vocação passava por sermos um clube unidesportivo. Demos também alguma atenção à escolha do símbolo, a figura de Viriato e as cores laranja a azul, que representavam o concelho e a freguesia em que estávamos sedeados.

Em que contexto funciona o Marketing do Viseu Futsal? Existe um planeamento anual, politica de comunicação, é responsável por todas as parcerias estratégicas?
O Marketing no Viseu 2001 é trabalhado como uma área de apoio às nossas modalidades, sendo um denominador comum de todo o clube que define toda a política de comunicação do clube, onde incluímos a imagem, gestão do site, redes sociais e newsletter, uma revista anual do clube com apresentação de todos os nossos atletas e treinadores, a organização de eventos institucionais, o merchandising e a relação com os sócios.
Ao nível dos patrocinadores é realizado um trabalho de preparação das propostas de patrocínio, com apresentações do clube, a criação de conteúdos e definição de produtos ou serviços a comercializar, é feito um acompanhamento regular com esses patrocinadores, como por exemplo através do envio de convites para os jogos e eventos que organizamos, recortes de imprensa e fotografias onde consta a imagem ou nome do patrocinador, etc. No final é realizado um dossier de fim de época e consequente proposta de renovação que é apresentado pessoalmente pelos responsáveis de cada secção do clube.
Foge claramente ao conceito mais usual que vemos no futsal português, em quem temos o presidente como o aglomerador de funções de gestão do clube?
No Viseu 2001 temos o lema que “manda quem trabalha”. Não somos um clube hierarquizado nem com excessivas burocracias. Sabemos o valor e o empenho de todos os dirigentes desportivos que fazem parte deste clube, percebemos no início de cada época o que cada um pode contribuir em função das suas motivações e disponibilidades e apenas temos que organizar as competências que cada dirigente deve ter ao longo da época. O nosso sucesso é o resultado da soma do trabalho de todos que “vivem” este clube.
A ideia que persiste é que na grande maioria não dão importância a este trabalho para o crescimento e desenvolvimento do clube e como poderá ser preponderante para a projecão do mesmo, outros por completo desconhecimento. O foco dos clubes e seus dirigentes é sem duvida a vertente desportiva no conceito de contratar e dispensar atletas e treinadores? Trabalhando só para os resultados desportivos, e em caso de sucesso, sentirem só o acompanhamento média que advêm de feitos?
Temos tido algum cuidado para não nos empolgarmos com a febre dos resultados desportivos. Sabemos que são de extrema importância no crescimento do clube, mas devem acontecer fruto da dinâmica empreendida e da sustentabilidade futura do nosso projeto. Atualmente estamos muito empenhados em massificar o clube, com novas modalidades desportivas, como aconteceu durante esta época com o futebol, aumentando o nosso peso social, derivado dos cerca de 200 atletas que temos a trabalhar connosco, a que somará os seus familiares que os acompanham diariamente aos treinos e jogos.
Para a próxima época prevemos a criação de mais uma modalidade, sempre privilegiando os escalões mais jovens, situação que terá repercussões muito positivas na criação de novas parcerias com empresas, novas fontes de receitas, como as quotizações e merchandising, e um aumento exponencial do nosso potencial enquanto clube desportivo, criando um efeito semelhante à economia de escala e que permitirá a curto prazo termos profissionais a trabalhar no clube na área da gestão desportiva, uma nova organização financeira, maior capacidade de organização de eventos etc.
Não podemos considerar o mediatismo adjacente ao sucesso desportivo com comunicação e imagem desenvolvidas correto?
O sucesso desportivo é um excelente catalisador das ações de marketing num clube desportivo. Sabemos que o Desporto está associado a conceitos de paixão e emoção e que as vitórias e as subidas de divisão (nos escalões seniores) são importantes para a captação de novos sponsors, novos sócios e até mesmo de atletas para os escalões de formação. A participação em campeonatos como a 2ª divisão nacional de futsal, ou eventualmente numa 1ª divisão tornará o clube mais atrativo e mais mediático, uma vez que os resultados também têm o condão de atrair a comunicação social.
Agora é importante conseguir perceber a altura certa para apostar nas subidas de divisão, nunca devendo essa aposta inviabilizar ou condicionar o crescimento do clube nos anos seguintes. Como já foi dito, os resultados têm que ser a consequência do trabalho realizado e do crescimento organizacional e financeiro do clube.
Nos últimos tempos e face a conjuntura económica do país e consequente corte das autarquias, alguns clubes, inclusive de 1 divisão encerraram portas. Podemos falar aqui em falta de estrutura do clube e ausência de trabalho para consolidar parcerias, patrocínios e desenvolvimento do mesmo? Parece-me redutor um clube de 1ª Divisão Nacional e mesmo de 2ª Divisão basear e limitar os destinos do clube ao apoio que poderá receber da autarquia. Concorda?
Qual o numero de parceiros envolvidos com o clube neste momento?
O Viseu 2001 trabalha atualmente com dezenas de parceiros que, em diferentes níveis, muito têm contribuído para o crescimento do clube, assim como acreditamos que esta associação à marca Viseu 2001 e aos valores que representamos também tem contribuído de forma positiva para o crescimento comercial destes nossos parceiros.
Não somos nem procuramos ser um clube subsidio-dependente, não deixando de valorizar e reconhecer o importante contributo e apoio do Município de Viseu ao nosso clube. No entanto no atual contexto económico em que vivemos os clubes que vivem dos subsídios das câmaras municipais terão muitas dificuldades em sobreviver e terão que adotar novas estratégias. O Viseu 2001 sempre procurou fontes de receitas alternativas, pelo que esta nova realidade não terá grande influência no processo de crescimento do clube.

 
 

sexta-feira, 13 de abril de 2012

segunda-feira, 9 de abril de 2012

sexta-feira, 6 de abril de 2012

PROCESSO OFENSIVO

Nos próximos dias irei partilhar alguns bons exemplos daquilo que foi o nosso trabalho ao longo destes 3 anos de Novasemente GD nomeadamente no aspeto ofensivo, ideias desenvolvidas, trabalhadas e gradualmente consolidadas.

2009 - 2010

video
video
2010 - 2011

video

video
2011-2012

video

video

ATITUDE É TUDO

LANÇES DE ESTRATÉGIA, MOMENTOS DE DECISÃO

Partilho hoje com vocês um momento de perfeita execução de uma Bola de Saida. A forma como estes lances são pensados e trabalhos por todos os intervenientes no processo de treino/jogo, são determinantes para que culminem com o grande objectivo quando os idealizamos o GOLO!

video